Os “nem-nem”: jovens que nem estudam nem trabalham já são 11 milhões no Brasil