Pais e professores devem “adiar o máximo possível o contato dos filhos com os meios eletrônicos”, sugere professor da USP